ESCRITÓRIO

ARQUITETURA
IGREJA BATISTA
PRAÇA DO NATAL
MUSEU DO MEIO AMBIENTE
HOTEL PAINEIRAS
CAE MARANHÃO
PAISAGISMO
PARQUE TAMARINEIRA
PARQUE PENEDO
JARDIM HOTEL MARRIOTT
JARDIM BARCHEF
JARDIM FAMÍLIA AVELINO
 
rua antenor navarro . 81 . sl105
jaqueira . recife . PE
contato@rbe.arq.br
81 30480900

www.facebook.com/rbearquitetura



CONCURSO PARQUE DO OITI EM PENEDO
O partido para esse projeto foi interligar os dois bairros da cidade de Penedo onde o terreno se encontra. Como forma de identificar cada bairro, foram propostas duas praças - uma em cada vizinhança. As praças são conectadas por um eixo que percorre todo o perímetro do parque e acessa todas as suas áreas como a lagoa, a parte esportiva com minicampo de futebol, basquete, vólei e os três playgrounds. Para a vegetação, foram priorizadas espécies de bambu, capins e árvores como Ipês, as quais atendem a necessidade de baixa manutenção, no entanto, sem perder a qualidade estética.


As Praças da Cultura - A intenção de criar duas praças na margem do parque (uma em cada bairro) está relacionada à idéia de distribuir as atividades culturais de maneira uniforme. É Por esse motivo que ambas contarão com equipamentos semelhantes. Isso significa que “Praça da Cultura” será, na realidade, transformada em duas: uma ligada à área vizinha ao Fórum da Cidade e a outra próxima à região residencial.
Para que sejam diferenciadas do restante do parque, as praças serão pavimentadas com linhas de piso de calcário. Tal piso é projetado com fundação permeável (ao invés da tradicional fundação de concreto) e com um espaço de um centímetro entre as linhas, a fim de garantir a penetração natural da água da chuva no solo. Com isso, serão devidamente respeitadas todas as questões ambientais. As Praças da Cultura são concebidas como espaços flexíveis e “vazios”, o que facilitará o uso para uma série de atividades (eventos, show, feiras, exposições, etc.). Por essa razão, não se dispõe de quase nenhum equipamento fixo, mas, tão-somente, de postes de iluminação e bancos de madeira simples e robustos, que complementam o espaço.

A Faixa Esportiva – Como o parque da Lagoa do Oiteiro é um espaço de atividade e, ao mesmo tempo, de contemplação. As áreas de maior movimento estão concentradas nas laterais do parque. Próximo à área residencial há uma faixa esportiva, que conta com um mini-campo de futebol, um campo de basquete e de vôlei, uma área de musculação e uma pequena praça que funciona como uma academia pública - segundo o exemplo dado por outras cidades brasileiras, como o Recife, nas quais tal academia promove aulas públicas e gratuitas de exercícios físicos dadas por professores e estudantes de educação física. O espaço ainda possui uma pequena estrutura onde poderão ser desenvolvidos projetos de orientação da população acerca da importância da atividade física. Ademais, o parque favorecerá a prática de duas atividades já consideradas imprescindíveis para muitos brasileiros: a caminhada e a corrida. Daí a necessidade de se manter uma área (“Pista de Cooper”) reservada a tais atividades físicas. Esta pista de Cooper, no entanto, é projetada sem instalar mais uma via além da já prevista para para circulação de pedestres do parque.
As Áreas Infantis - Ao favorecer o uso do parque principalmente para as crianças, são dedicadas a elas as ilhas da corrente de capim. Eis que se formam três ilhas, que funcionam como núcleos de brinquedos onde as crianças podem experimentar de forma divertida as aventuras vividas pelos pescadores. Todos os brinquedos são desenvolvidos em madeira e lembram as atividades do pescador, a exemplo da torre de um navio por onde desce um escorrego, dos balanços sustentados pelas hastes utilizadas pelos pescadores para estenderem suas redes e pula-pulas em forma de animais marinhos, já tão próximos da cidade de Penedo, que leva o Rio São Francisco diretamente para o oceano.
As Áreas Contemplativas - As duas ilhas da corrente de capim mais próximas à Lagoa servem às atividades mais contemplativas: a pequena área pavimentada serve como academia pública “alternativa”, onde prevalecem as atividades mais silenciosas (a exemplo da ioga e do alongamento) e o deck de madeira localizado na beira da Lagoa do Oiteiro possibilita uma maior aproximação da natureza ao oferecer uma vista privilegiada.
A Vegetação - O conceito de rememorar da Mata Atlântica está presente na calçada e no eixo principal do parque, onde estão as árvores da espécie Caesalpinia peltophoroides, visto que se trata de uma espécie de meio porte, sem raízes verticais (o que evitará danos às áreas pavimentadas) e de crescimento rápido. Os patamares de gramado são cobertos pelas Tabebuia pentaphylla, Tabibuia chrysoticha e Tabebuia impetiginosa, que são espécies reconhecidamente ornamentais e simbólicas da Mata Atlântica. Na costa do parque insira-se um bamuzal de Bambusa tuldoides. As praças e a faixa esportiva, por sua vez, não fazem referência à Mata Atlântica. Como tais áreas destinam-se a possíveis eventos e grande movimentação, são utilizadas as palmeiras Roystonea regia e Wodyetia bifurcata nas praças. Tudo para garantir um maior destaque e um aspecto nobre a tais áreas. Na faixa esportiva é utilizada, para garantir um maior aproveitamento do espaço e uma maior visibilidade às áreas esportivas, a palmeira Veitchia merrillii, espécie de feição reta, fina e resistente.